quinta-feira, maio 26, 2005

Aquela da Livraria

Quando se começa um conto, você sabe que a história tem que ter uma moral. Por quê? Ora, é um pedacinho de texto que não tem a menor chance de ser lido se não for pra entregar algumas pérolas. Pelo menos uma.

E para esse conto eu não vou sequer inventar personagens. Foi comigo mesmo, enquanto passava em frente à livraria Argumento. Os livros que me viam gritaram por mim, da vitrine, ansiando por alguém que os folheassem. Como sempre, fitei as capas, varrendo-as com os olhos pra saber se algum tema me interessava. Olhos pra lá, olhos pra cá, e esvoaçou por trás dos livros uma mecha de fios bem finos e pretos. Cabelos femininos, num típico "momento de serem ajeitados".

Pronto, os livros já se eram. De quem era? Uma dama, como pude perceber, com aquele contraste bem peculiar e interessante: pele branquinha e cabelos bem pretos. Uma diva, vestida com uma saia cinza um pouco abaixo do joelho, e sapatos de boneca pretos, com meias brancas que cobriam as canelas. Vestia uma blusa bem comportada rosa-clara, e tinha os óculos de hastes pretas.

Será que é a "meia um-quarto"? Não sei, mas em um quarto eu teria mais que prazer em desnudar aquelas pernas e beijar os pés daquela princesa-anos-sessenta. Balancei a cabeça, porque já era a hora de voltar à realidade. Pensei: "ok, agora eu esqueço isso e vou para casa".

Você acha que eu ia perder a chance de ver o rostinho daquele anjo? - Entrando na loja, passei direto por ela, e notei que conversava animadamente com um homem. Talvez fosse o namorado. Estava sentada no bar, bebendo um refrigerante e comendo alguma coisinha qualquer. Como todo macho se sente o superior da espécie, logo pensei: "o que ela faz acompanhada desse aí? Que cara de babaca!".

Em uma fração de segundos, me dei conta que todo homem tem cara de babaca, especialmente quando está na companhia de uma linda mulher. Não há status, intelecto, beleza, firmeza, jovialidade, músculos, pose ou terno que faça um homem se ajeitar ao lado de da mulher que ama. Torna-se um babaca, e ponto. PS: as mulheres que são no máximo feias, mas que nunca têm cara de babaca, vão dominar o mundo.

Recolhi com um olhar para baixo a cara que me pertencia naquele momento (ela esteve no chão por um breve instante), e passei pelo casal. Fui ver os livros. Fui ver os discos. Marquei umas próximas compras e vi algumas coisas que podia procurar na rede - É mais fácil do que procurar material raro em lojas. - Depois de uns 15 minutos, eu já havia quase esquecido daquela garota com vestido estranho da entrada. Porque os livros estavam tão interessantes... Com várias intelectualóides gatinhas pesquisando então, nem se fala. Já falei o quanto gosto de garotas com óculos? Acho um charme.

Eu estava na parte de ter que voltar pra ver o rosto daquela que me fez entrar na livraria. Vamos lá. Me viro e vejo à distância a bela dona na porta de entrada. Fiz esse rodeio todo porque não queria dar pinta. Mas acho que essas coisas são sempre óbvias comigo - eu não sei mentir. Devo ter armado a MINHA cara de babaca e seguido em direção à porta. Vagarosamente, caminho sem naturalidade alguma, olhando por cima do ombro do outro que a acompanhava, e... Como diria Vinícius: "que me perdoem as feias, mas a beleza é fundamental".

Conclusão: será que aquela morena que olhava o CD do Coltrane tá sempre por ali? Isso é tão incomum hoje em dia...

Safe Creative #0801220392681




Tou baixando umas ondas de clássico pra experimentar mais estilos. Peguei: Stravinsky, Schoenberg, Wagner, Stockhausen e ainda há na fila: Mahler, Boulez e Debussy. Todos estes são mais contemporâneos. Os Bach, Beethoven e Mozart são bons também, mas já são mais vovôs da galera que mencionei antes, e quero conhecer os compositores de hoje. Retocando: de hoje, não... Mas que sejam de, no máximo, 120 anos atrás.

5 comentários:

Rodrigo Santiago disse...

Comentário de Teste

Menta disse...

hehe...

P disse...

Gostei dos compositores em quem está apostando. Falando de Wagner, eu definitivamente não tenho uma voz "wagneriana"...
=/
Quanto aos machos-cara-de-babaca... me alivia saber que vocês esboçam reações assim... estou meio desacreditada do romantismo, da beleza sentimental. E penso que os homens foram educados para serem bem diferentes. Enfim!
Mas deixe passar a boneca. Você não precisa de uma boneca de cera, precisa de umagarota jovial, que curta os seus programas, que curta um jazz(de prferência que ela goste de tocar e compôr!), que alimente sua cabeça com as mais deliciosas dúvidas de vida e relacionamento.
Você sabe que PP sempre torce por você.
Mil beijocas

Rodrigo Santiago disse...

Ah, Wagner... A Cavalgada das Valkírias é tudo o que tenho até agora, e já me dei muito bem! Como disse pra um amigo meu: "Isto é metal, o resto é guitarra distorcida".

Crônicas são feitas pra atingir o mundo, não pra confessar todas as verdades pessoais do autor.

Quanto ao efeito "cara de babaca"... Isso acontece com todo mundo, não importa a procedência do homem. ;D

Não acredito mais nem nas minhas próprias receitas de garota.

;)

Ninha disse...

ooowww assim então vc precisa passar no 'sinal' de Caxias..hauhaua

:P

um bjo!