domingo, janeiro 08, 2006

Que Seja Infinito Enquanto Dure

Não é que hoje não haja amor eterno. É que ele nunca houve.

O jeito de amar está intimamente ligado ao meio de produção. Amar é em parte uma conveniência que acompanha a economia na nossa sociedade, assim como todas as formas de relacionamento entre pessoas.

Quantos "melhores amigos" você já teve nos vários ambientes onde viveu?

"Amor eterno" foi algo que as gerações passadas nos ensinaram, e que definitivamente funcionava pra época. Afinal, falar em eternidade é fácil pra quem vive estavelmente durante 60 anos, morre, e depois não diz pra ninguém se continua casado lá do outro lado. É bem tranqüilo pra gente perceber "eternidade" quando o casamento começou em algum ponto da vida dos nossos avós e existiu até suas mortes. É, é bem fácil confundir 40 anos de relacionamento com eternidade. E se eles se divorciassem 1 ano antes de morrerem? Vai dizer que o casamento não deu certo? Ou que não houve amor de verdade?

Por que as pessoas choraram tanto quando Elvis morreu, razoavelmente jovem? Ou Charlie Parker? Ou John Lennon? Ou John Kennedy? Naquela época, era esperado que se fizesse algo grandioso durante 30 anos ou mais. Havia uma sensação enorme da perda de tudo o que essa pessoa poderia ter feito. Amor é sempre algo muito grandioso que é relativamente fácil de ser vivido por qualquer um. É o sonho de "mudar o mundo" mais fácil de se realizar, com certeza. Retificando: "mais fácil" não, "menos difícil".

Hoje, algo grandioso deve ser feito em 1 ou 2 anos.

Quantos novos famosos ganham as telas todos os dias?

E por que o amor continua tendo que ser até a morte?

De maneira similar, um amor grandioso pode ser vivido em pouco tempo. Se temos tantas incertezas todos os dias, temos que arrumar um jeito de amar direito. Somos muito passivos com relação ao amor, e acho que essa não é a postura correta. É como uma gripe: você é alvo dela. Bom, se você se desproteger, vai estar muito mais suscetível à doença. Pensa só: você pode estar um pouco mais aberto ao amor, e deixá-lo acontecer. Não é garantido, mas aumenta suas chances. Com tão pouco tempo pra aproveitar, por que outorgar a uma única pessoa em sua vida inteira o direito de ser seu amor? E se essa pessoa te trai? E se ela se vai? E se ela morre? E se ela não te aceita? Como é que você fica? Não estou dizendo que você "escolhe o amor". Mas que você pode esquecer algum que não tá mais na área... Ah, com certeza sim!

Pra mim, é burrice atribuir um título para todo o sempre a uma única pessoa que é decadente como tudo mais nesse mundo.

O jeito de amar é sempre diferente, dependendo do casal. É como misturar diferentes tipos de leite com diferentes tipos de café, colocando açúcar a gosto e bebendo na temperatura que mais agrada. Sim, você também tem o seu tipo preferido de café, e eu não te culpo por isso. Mas dizer que 1 em 3 bilhões de tipos de café é com certeza o que mais te agrada? Será que dá pra comparar cada sabor com todos os outros? Alguns tipos de bebidas são inesquecíveis, e te proporcionam um prazer completamente diferente do outro. Igualzinho ao amor: podemos ter diferentes amores de verdade ao longo de nossas vidas. Cada um com sua marquinha especial, que é única.

Você pode até pensar que sou promíscuo. Mas ninguém pode dizer de mim que me embriago com vários "amores". Isso seria um vício muito feio; certamente uma subversão do significado disso tudo que estou dizendo, e estaria promovendo a banalização do termo. Promiscuidade é algo que tá por aí: todo mundo beija 30 bocas em qualquer micareta. É óbvio, não é disso que estou falando. Falo de ter aquele abraço onde você parece estar flutuando. Daquele carinho que parece conhecer cada detalhe do que você prefere. Acha mesmo que apenas uma pessoa no mundo te proporcionaria isso? Leva tempo, mas você encontraria seu amor em qualquer parte do mundo.

A não-eternidade do amor pode não ser a "verdade verdadeira", sabe? Pode apenas ser uma resposta que inventei pra me satisfazer. Mas pra mim, funciona. Bom... Na verdade, funciona mais ou menos.

Como todo mundo tem sua dose de hipocrisia, eu também acredito que um dia vá aparecer 'aquele' amor, e que dure mais de trinta anos. Ou seja: eternamente. Mas não digo que um amor que durou pouco tempo não tenha sido amor verdadeiro. Nem insisto em forçar a barra, dizendo que um amor que foi verdadeiro ainda o é, sabendo que pensar nele só me faz mal, e achar que esse mal é temporário. O desencanto pode fazer tudo vir abaixo, mas em algum momento da minha vida, foi o sentimento mais puro que tive. Não nego, e não pestanejo em dizer: foi amor de verdade.

Safe Creative #0803010456764

21 comentários:

Cinthia disse...

Falar sobre o amor não é e nunca foi nd simples.Pq amar não é simples. A despeito da efemeridade dos sentimentos, cm alegria ou tristeza,dor,susto,prazer, amar é um sentimento que desperta continuidade.Amar pode ser eterno:o amor q sinto pelos meus pais, minha familia, meu cachorro,minha carreira...E pq não por algum ser?Agora prender-se a um amor sem sentido, sem recíproca,sem vida, é oq não se pode.
Não acredito q trinta bocas numa micareta seja promiscuidade, mas um "prazer continuado e sem fundamento,fulgaz".Da msm forma q não acredito ser algo especial, por nao haver sentimento.
Agora q, cd relação, em q o dito AMO se fez presente, d maneira intensa, é AMOR sim msm q noa infinito.
Neste diapasão, cabe assim ressaltar, que a efemeridade e intensidade só se conjugam complemaentares nessa sensação única, singular, e essencial q é amar.

Migo, longe de querer escrever sobre o amor,ou banalizá-lo, aproveito a oportunidade p dizer q te amo, porser um amigo mt especial.bjs e escreve sempre bem assim!

Louise disse...

Não acho hipocrisia dizer que não acredita em amor eterno. Eu particularmente acho que a eternidade pode durar o instante exato em que o olhar de outra pessoa cruza o teu com uma intensidade ímpar, capaz de te fazer repensar o tempo.

Beijo no coração
Louise

Rodrigo Santiago disse...

Quando eu falei sorbe hipocrisia, quis dizer que, mesmo que eu defendesse a idéia de que amor eterno não existe, eu acredito nela, de alguma forma ;D

Tipo: "olha, gente... Vim aqui pra dizer que o amor eterno não existe. Mesmo assim eu acredito nele."

Bjs!

Nina Thunder disse...

Minha esperança não me trai nunca, mesmo.
Me emocionei saber que mais um pensa assim.
E esse mais um é você ! "Hueda deberas."

Rodrigo Santiago disse...

Hahahaha, como se não pudesse deixar de ser, né não, Nina?? ;D

Nina Thunder disse...

..."Né"!

[The Anonymous Blogr] disse...

Eternidade é um conceito bastante complexo. Tanto quanto liberdade. Na verdade, acho que é muito simples de falar e muito difícil de entender. Eternidade é a característica daquilo que não tem fim, nem começo! Como imaginar algo que não tem começo? Algo que simplesmente sempre existiu? É meio complicado pra quem tem existência finita.

Mas supondo que adaptemos o significado de eternidade, como fazemos freqüentemente com liberdade, para "algo que depois que começa dura até o fim da vida", será que existe amor que tenha tal característica?

Ficou mais fácil, mas ainda assim acho que o amor com essa eternidade não existe. O que não quer dizer que não seja possível amar alguém reciprocamente pra sempre.

Explico. Acho que é possível amar durante 100 anos uma pessoa, mas que durante esses 100 anos ter-se-á amado diferentes amores. O amor muda, como as pessoas mudam... principalmente nos primeiros meses, pense em como muda a forma como se vê o outro e a forma como se ama com diferentes amores e olhares nos primeiros meses de um relacionamento... pode ser que eu esteja falando algo que só se aplica às minhas experiências....

enfim acho q o "amor eterno" acontece quando se encontra alguém que reciprocamente vive todos esses amores... como se todos (ou quase) os tipos de café com leite que vc adora, fossem os preferidos do outro tb...

será que faz sentido? pra mim acho que sim... difícil é explicar...

Rodrigo Santiago disse...

Acho que faz sim ;)
Se você todo dia aprende novas coisas, aprende a enxergar coisas mais novas ainda. O "amar" acaba também sendo influenciado pela sua experiência (óbvio).

Fabi disse...

O estranho é todos acreditarem que só existe um amor eterno e verdadeiro.
Eu amo meus pais, meus amigos e não tenho dúvida de que esse amor é eterno, mesmo que eu não ligue pra todos no natal, mesmo que não lembre da data do seu aniversário,acho que amor não é isso.
Tenho aprendido que amar não é estar ao lado o tempo todo, mas estar qndo precisam realmente de você.
E quanto ao amor "homem - mulher" quem disse que eu deixei de amar as pessoas que já passaram pela minha vida, o amor muda e nem por isso deixa de ser eterno.
AH!!!! Garanto o meu amor por vc é eterno. :P
Beijinhos moço

Rodrigo Santiago disse...

Será que o amor que já foi ainda é pra sempre justamente por ter sido em algum momento?
Nesse caso, o que não seria amor? Porque, se tudo for amor, então nada o é, ao mesmo tempo.

O não-amor talvez seja o momento antes do amor iniciar, né? Ou será que antes também havia amor, não-desperto?

Socorrow!! Alguém me ajude! :P

Nina Thunder disse...

Tenho um amor bem guardado aqui comigo.
Não é que deixou de ser amor, ele adormeceu.
Pode ser que acorde, ou não. Mas caso não acorde, tb não significa que morrerá.
Na verdade, não sei responder suas perguntas, porque não parei pra respondê-las. Eu sinto assim, como aqui escrevi agora. Se faz sentido ou não, ainda não tenho referência para comparar.
Não acredito que tudo seja amor. Alguns amores foram, outro chegou... e daqueles que foram, só um tenho guardado. Nem tudo é amor eterno.
Não acredito em não-amor. Todos temos a capacidade de amar, mesmo que ainda não tenhamos praticado.
O amor existe e existirá.
Sei que enrolei tudo, mas eu não penso com lógica. E quem escreve é meu coração.

Rodrigo Santiago disse...

Rsrsr... Bom, e que tal "ódio eterno" ?
Será que existe??

Rodrigo Santiago disse...

Palavras de Márcio Sugata:

"Amor eterno existe sim, cara. É só você acreditar."

Frase simples e direta, mas densa, muito densa. Inteligente pra kct.

Nina Thunder disse...

Ódio eterno ? Cruzes, em mim não !
Não sei por aí, não conheço...

_BeCCa_ disse...

Aproveitando bema sexta :)
beijinhus e bom fim de semana

Ninha disse...

Conheci um ódio eterno: a pessoa morreu levando ele, às vezes eu vi nos olhos dela q ela qria meio q desisti de tal sentimento, mas seu orgulho era bem maior, e com isso somava tudo: ódio + orgulho=ódio eterno. Cruzes.

Ah, foufo, vamos ver Nação no Circo - Sexta feira???
Bjos bjos!

Emmanuele disse...

Amei o q vc escreveu...
Também acredito q vá aparecer um amor pra mim e q fique comigo pra sempre.
beijinhos
Manu

Rodrigo Santiago disse...

:-)
Seja bem vinda, Manu ;D
Vamo tocar, hein??

daviderickson8396 disse...

I read over your blog, and i found it inquisitive, you may find My Blog interesting. So please Click Here To Read My Blog

http://pennystockinvestment.blogspot.com

P disse...

Quando começastes achei que teu post assumiria um rumo de amor mercantilista! Que bom que a tônica foi bem outra...

Engraçado pq há alguns meses venho pensando exatamente nisso! Quem pode dizer que aqueles amores de uma semana que irrompem em nossa vida com magia e empolgação e depois se vão... deixando o gosto delicioso da saudade e da vida bem vivida, que isso não é amor?

Amor é dizer amém pro padre e viver 50 anos ao lado de um marido?
={
Hum... dispenso.

Quem discordar que faça o favor de explicar muito bem explicado, com fartura de exemplos, o que é tal sentimento do qual muito se fala e (talvez) pouco se permita sentir e viver.

P disse...

Esqueci de dizer mais uma coisinha: acredito que das poucas coisas que SÃO, o amor seria uma delas.
Os amados... ah, esses apenas estão!